O PALHAÇO

 

Quando assisti ao primeiro filme dirigido pelo Selton Mello (já comentado aqui)  fiquei entusiasmado com o trabalho daquele que, para mim e para muita gente, é um dos melhores atores de sua geração. Pois bem, o debute de Selton atrás das câmeras, não foi tão bem recepcionado pela crítica, uma vez que alguns ranzinzas o acharam “pretensioso” ou pesado demais. Uma bobagem é claro, afinal o tema era pesado e não havia necessidade de fazer um filme mais leve. Ele peca por alguns exageros é claro, mas acho “Feliz Natal” um grande filme. Passados alguns anos, o ator-diretor retorna com um trabalho mais maduro e, porque não dizer?, mais leve. Não que a história do palhaço Pangaré não seja pesada, pelo contrário, o pobre coitado está deprimido e em sua crise passa a questionar o seu lugar no mundo. Mas o tema circense abranda um pouco as coisas e a maneira que Selton Mello conta essa história, com cores vivas e personagens que ora parecem bizarros, ora parecem absurdamente reais é, sobretudo, terna. É visível o carinho direcionado aos personagens que se reúnem, com todas as suas diferenças, para formar uma família (veja como é bela, por exemplo, a alegria que os artistas demonstram ao cumprir funções técnicas do circo, como cuidar da iluminação e como é emocionante perceber que torcem, de verdade, pelo sucesso uns dos outros). “O Palhaço” é um filme que preza pela aparente simplicidade, mas que demonstra grande sofisticação, através tanto dos bons atores e da ótima fotografia, quanto das referências cinematográficas (Wes Anderson ficaria lisonjeado). Melhor filme nacional que eu vi esse ano. Avaliação: @@@@



Escrito por Eder - eder_ceima@yahoo.com.br às 09h02
[] [envie esta mensagem] []



ATIVIDADE PARANORMAL 3

 

Achei o primeiro filme um lixo, principalmente por causa da propaganda enganosa que dizia que era um fenômeno, um dos mais arrepiantes da história e bobagens mil. Do segundo, passei longe. Este terceiro só assisti, porque fiquei com preguiça de encarar uma fila gigante para ver “Contágio”, do Steven Soderbergh. É não é que essa continuação é muito boa? Ok, a história não tem nada de original e muito menos de genial, mas no caso do terror/suspense isso nem é tão importante desde que você leve alguns sustos e se divirta. E em “Atividade Paranormal 3” eu quase pulei da poltrona várias vezes (pelo menos umas 5) e fazia muito tempo que isso não acontecia. A história desse terceiro é uma bobagem, mas aqui ele consegue algumas variações para o tal esquema manjado: um sujeito coloca câmeras numa casa onde coisas estranhas acontecem e capta fantasminhas não muito camaradas aprontando à noite. Ao colocar a câmera sobre a base de um ventilador, por exemplo, o filme consegue criar um clima de suspense absurdo, de fazer você ficar sem respirar. As atuações dos adultos são bem ruizinhas, mas as crianças estão ótimas (que medo daquela menininha!). Enfim, fui assistir sem expectativas e acabei adorando. Mas continuarei sem assistir o 2. Avaliação: @@@  



Escrito por Eder - eder_ceima@yahoo.com.br às 10h41
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]





Meu perfil
BRASIL, Sul, Homem, de 26 a 35 anos, Livros, Cinema e vídeo


Histórico
    Votação
    Dê uma nota para meu blog


    Outros sites
    Jornal Rascunho
    Revista Cult
    Revista EntreLivros
    Quadrinhos - Malvados
    Provocações - TV Cultura
    Roda Viva
    Cinema - Omelete
    Cinema em Cena
    Los Hermanos
    Livros para Dowload - Domínio Público
    Macuco Blog
    Blog da Jaciele